Links

Temas Principais

Biografia

Emanuel nasce para a música em 1973, numa escola especializada em guitarra clássica.
Nos seis anos seguintes aposta na formação em música clássica e, mais tarde, assume a música como única atividade profissional: torna-se professor durante oito anos e dirige pequenas orquestras, toca em bares e lança um disco só com instrumentais.
Rapidamente se faz eco das suas capacidades, passando a ser solicitado enquanto compositor e orquestrador para intérpretes da música ligeira portuguesa bem conhecidos na década de 80. Entre outros, Marco Paulo, líder de sucessos na época e para quem Emanuel produz em 1988 o álbum “Joana”.
Em 1992, Emanuel assume-se como intérprete e edita o primeiro disco. Estabelece de imediato uma relação muito própria com o público e conquista a primeira platina, em 1994, com o álbum “Rapaziada vamos dançar” e tornou-se um fenómeno de popularidade no ano seguinte com o tema Pimba Pimba (510 mil cópias vendidas nos primeiros 6 meses).
Este sucesso passou também para o restante mundo da Lusofonia, tendo, por exemplo, em 1996, chegado ao Brasil através das vozes de “Leandro & Leonardo” que solicitaram a Emanuel a sua versão de “Pimba Pimba”. No ano seguinte, na sequência de várias votações promovidas por diversas rádios, revistas e jornais, Emanuel é eleito “Rei da Música Popular” e “Artista Mais Popular” desse ano.
Em 1998, revela a faceta de cantor romântico com o álbum “Felicidade e (quando o telefone toca)” cuja aceitação permite alcançar mais discos de platina. A 5 de Outubro do mesmo ano, Emanuel recebe no Castelo de Ourém, o título de “D. Emanuel I, Rei da Música Popular Portuguesa” na presença de D. Duarte Pio de Bragança – o legítimo herdeiro do trono de Portugal.
Em 1999 vai a Nova York receber o prémio de embaixador da música portuguesa atribuído pela comunidade portuguesa espalhada pelo Mundo.
Em 2001, é o principal produtor da banda sonora da telenovela “Anjo Selvagem” (TVI), cuja adesão do publico ultrapassou todos os recordes, tornando-a a única novela portuguesa no ar durante três anos. O tema principal ainda hoje é cantado por todo o país.
No final de 2002, Emanuel volta a ser o responsável da canção do genérico e de temas específicos de duas personagens da telenovela “Sonhos Traídos” (TVI).
Em 2007 concorre como compositor/autor ao Festival da Canção e sai vencedor.
Pouco tempo depois, Emanuel trabalha em sonoridades que mantêm como base a música tradicional portuguesa, mas com um ritmo que se adapta às novas harmonias e tendências cosmopolitas e em 2010, à semelhança de 1995, atinge os seus objetivos através de um novo estilo que adiciona às raízes portuguesas, o calor de África e os ritmos eletrónicos, com o hit “O Ritmo do Amor (Kuduro)”. Em apenas um ano, este fenómeno chegou a todo o lado e às pistas de dança nacionais e internacionais.
Com o tema “Baby, és uma Bomba” vence a “Canção do Ano 2012” com 28,2% dos votos do público, num programa transmitido em direto na RTP.
Em 2014 aceita o convite da Rtp para concorrer ao festival da canção e vence novamente.
Em 2015, dá continuidade ao trabalho com a sua nova linha musical e lança o CD “A Moda dos Beats Afro”. Ainda neste ano, cria uma nova versão da música “Tudo por amor” e canta-a com Erika Ender co-autora do Hit “Despacito”. A estreia desta união de canto/autores aconteceu no dia 17 de outubro de 2015 num concerto especial na Cidade do Panamá com transmissão em direto pela televisão panamenha.
Emanuel continua a “arrastar” multidões de fãns aos seus concertos, tem 22 álbuns e várias coletâneas editados e como compositor/autor tem mais de 1200 obras editadas.